Maio 19, 2024

A Central Hidroeléctrica do Luachimo, no Dundo, capital da Lunda-Norte, pode entrar em pleno funcionamento com as quatro turbinas entre finais do mês de Agostou ou princípios de Setembro do corrente ano, soube o Jornal de Angola junto de uma fonte ligada ao Gabinete do Aproveitamento do Médio Kwanza (GAMEK), organismo estatal responsável pela execução de projectos estruturantes do sector Eléctrico, em representação do Ministério de tutela.

O Jornal de Angola apurou, à margem da jornada de campo que levou, sexta-feira, a governadora provincial, Deolinda Vilarinho, as obras do Aproveitamento Hidroeléctrico e Aumento de Potência de Luachimo, que a montagem das máquinas 1 e 2 (turbinas), estão a 90 por cento de execução física.

De acordo com a fonte, as turbinas 3 e 4 da Central já funcionam, estando, por isso, a assegurar o fornecimento de energia eléctrica à cidade do Dundo e arredores.

Cinco anos depois, desde a desactivação das antigas máquinas do empreendimento que entrou em actividade, pela primeira vez, em Setembro de 1957, para o início da reabilitação, a cidade do Dundo está a ser abastecida com energia produzida pela nova Central da Hidroeléctrica do Luachimo.

A governadora provincial da Lunda-Norte, Deolinda Vilarinho, afirmou que se trata de um grande investimento do Executivo que vai permitir, até à sua conclusão, elevar a capacidade de produção dos anteriores 8.4 para 34 megawatts (MW) de energia.

Em declarações à imprensa, a governante explicou que a visita às obras do empreendimento serviu para se inteirar sobre o cumprimento das últimas recomendações deixadas pelo Ministério da Energia e Águas, quanto à execução do projecto.

“Esta visita de campo serviu para acompanharmos o cumprimento das últimas recomendações que o Ministério deixou. Ficamos satisfeitos pelo facto de sabermos que as duas últimas turbinas já estão aqui na província, estando igualmente em curso os trabalhos de montagem. Por isso, vamos, brevemente, resolver o problema de fornecimento de energia eléctrica no Dundo. Os próximos meses vão ser de grandes melhorias, uma vez que o projecto de reabilitação da Hidroeléctrica do Luachimo está em fase de conclusão, afirmou a governadora, que elogiou o trabalho desenvolvido pela construtora China Gezhouba Group Company (CGGC), GAMEK e outros envolvidos nas obras do maior projecto de produção de energia eléctrica na Lunda-Norte.

O Jornal de Angola soube que   em termos globais, a empreitada orçada em USD 212.310.022.48 cêntimos vai beneficiar cerca de 10.600 famílias. Além da cidade do Dundo, depois concluídas as obras, a Hidroeléctrica do Luachimo vai também fornecer energia eléctrica aos municípios do Cambulo e Lucapa, incluindo as localidades de Fucauma, Cassanguidi, Luxilo e Calonda.

O Banco chinês, Industrial And Commercial Bank Of China (ICBC sigla em inglês), é o organismo financiador de mais de 80 por cento do projecto de reabilitação da Hidroeléctrico da barragem do Luachimo, no Dundo.

Estrutura

A empreitada compreendeu a reabilitação dos equipamentos mecânicos da barragem do Luachimo, execução de um novo circuito hidráulico, dimensionado para 240 metros cúbicos de água por segundo, constituído por tomada de água, canal de adução, câmara de carga e canal de restituição.

Foi também construída uma nova subestação de 60 quilovolts e remodelada a estrada de acesso à barragem, incluindo a passagem para a central.

A nova infra-estrutura da central que foi construída tem 35 metros de altura, o equivalente a um prédio de onze andares, numa área de 50 metros de extensão e 30 outros de secção transversal, apurou o Jornal de Angola.

O edifício da antiga central foi reabilitado para futuramente servir às instituições de ensino técnico. Ou seja, a infra-estrutura vai ser o primeiro Museu do sector de Energia em Angola.


Recuperação da Linha de Transporte de Alta Tensão

O ministro da Energia e Águas, João Baptista Borges, anunciou, em Fevereiro, no Dundo, que o  Executivo investiu mais 40 milhões de dólares, um valor adicional ao já aplicado nas obras de aumento de potência do Aproveitamento Hidroeléctrico do Luachimo, com vista a recuperação da linha de transporte de alta tensão de 85 quilómetros até à vila mineira do N´zagi, município do Cambulo, e, cinco anos depois desde a descativação das antigas máquinas do empreendimento, erguido em 1957, para reabilitação, pela primeira vez, a cidade do Dundo está a ser abastecida com energia produzida pela nova Central da Hidroeléctrica do Luachimo.

O ministro disse, na ocasião, que além da extensão da rede de distribuição, no Dundo, acções tendentes à melhoria da iluminação pública, o próximo e principal desafio passa pela reabilitação da linha de transporte do Luachimo para o município do Cambulo, mais concretamente na localidade do N´zagi. A última etapa do projecto prevê o alargamento da mesma rede de distribuição até à sede do Lucapa, incluindo a localidade de Calonda.

Segundo o governante, a linha transporte vai também passar pelas localidades de Fucauma e Cassanguidi, tendo em consideração à existência de  actividades económicas, sobretudo no sector da extracção mineira.

“Vamos começar a reabilitar a linha que sai do Luachimo, no Dundo, para o N´zagi, no município do Cambulo, passando pelas localidades de Fucauma, Cassanguidi e Luxilo. Esta linha é importante na medida em que vai atender também essas localidades, onde temos muita população e grande actividade económica ligada à extracção mineira”, destacou.

Para a restituição da linha de transporte de energia entre Dundo e N´zagi, que está “praticamente destruída”, o Ministério de tutela projecta colocar novas torres, condutores e reabilitar as respectivas subestações, afirmou.

O ministro disse na altura ter saído satisfeito da Lunda-Norte, pelo facto de maior projecto de energia eléctrica, até agora existente na província e na região Leste, ter já entrado em funcionamento, sendo o ponto de partida para acabar com as constantes e justas reclamações das populações, resultantes das restrições no fornecimento de energia eléctrica no Dundo.

Explicou que a extensão da mesma linha de alta tensão, por sua vez do N´zagi para o município do Lucapa, vai ser a última fase do projecto, tendo em conta que quase todas as torres foram destruídas, sendo necessário o fabrico de novos equipamentos.

JA

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *