Junho 14, 2024

O porta-voz da 43ª Cimeira de Chefes de Estado e de Governos da SADC, Jorge Cardoso, garantiu hoje (segunda-feira), em Luanda, a prontidão de Angola para a realização exitosa do evento, cujos trabalhos iniciam, esta terça-feira, com a sessão do Comité Permanente dos Altos Funcionários dessa organização regional.

O embaixador Jorge Cardoso, igualmente director da Direcção África, Médio Oriente e Assuntos Regionais do Ministério das Relações Exteriores, falava durante um “breefing” com a imprensa, destinado ao lançamento das principais actividades previstas para a Cimeira, que culmina no dia 17 com a eleição de Angola à presidência rotativa da SADC para o período 2023/2024. 

A decorrer sob o lema “Capital Humano e Financeiro: Os principais factores para a industrialização sustentável da SADC”, o encontro reserva para os dias oito e nove a preparação da documentação inerente aos trabalhos do Conselho de Ministros, a ter lugar domingo e segunda-feira próxima, para posterior apreciação a 17 do corrente mês. 

Segundo o porta-voz, que sublinhou a importância do tema do evento, durante a presidência o país deverá procurar dinamizar a integração regional da SADC com o substrato da industrialização como “pano” de fundo, socorrendo-se do capital humano, bem como de fontes de financiamento. 

Considerou fundamental que com pessoas habilitadas e capacitadas se alcance maiores níveis de industrialização, mas referiu não ser possível sem fontes de financiamento flexíveis e sustentáveis. 

Quanto ao desafio de Angola assumir a presidência numa altura em que alguns países da região enfrentam conflitos internos, nomeadamente Moçambique e República Democrática do Congo (RDC), o embaixador Jorge Cardoso garantiu que a situação está a ser devidamente acompanhada pelas estruturas da SADC. 

Referiu ter sido desdobrada, há dois anos, uma força da SADC na região moçambicana de Cabo Delgado para combater a insurgência ali prevalecente, ao passo que na RDC as forças de intervenção da SADC estão integradas na missão da ONU e, juntamente com o governo e as forças armadas locais, têm procurado garantir a segurança naquele país, sobretudo na região leste. 

O programa da Cimeira, cuja maior parte das delegações estão já no país, prevê, entre outras actividades, reuniões do Comité de Finanças (dia 10), da Troika do Órgão (15), da Troika do Conselho de Ministros (16), bem como a realização de uma palestra pública (12), dirigida sobretudo à juventude. 

Com sede em Gaberone (Botswana), um dos dos grandes objectivos da SADC é tornar a região industrializada até 2063, tal como consta na Estratégia e Roteiro da organização, aprovada pelos Chefes de Estado e de Governo, em Abril de 2015, para o período 2015-2063. 

Criada em Agosto de 1992, a SADC é integrada por Angola, África do Sul Botswana, Comores, República Democrática do Congo (RDC), Eswatini, Lesoto, Madagáscar, Malawi, Maurícias, Moçambique, Namíbia, Seychelles,  Tanzânia, Zâmbia e Zimbabwe. 

ANGOP

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *