Abril 25, 2024

Mais de 600 pessoas foram executadas no Irão desde o início do ano, o número anual mais elevado desde há oito anos, quando ainda faltam dois meses para este acabar, disse hoje uma organização de defesa dos direitos humanos.

O grupo Iran Human Rights (IHR – Direitos Humanos no Irão), baseado na Noruega, e outras organizações acusaram o Irão de utilizar a pena capital como meio de semear o medo, depois das manifestações motivadas pela defesa dos direitos das mulheres que abalaram o país durante vários meses, a partir de Setembro de 2022.

“A comunidade internacional deve reagir a mais de 60 execuções em 10 meses, o que são dois assassínios pelo Estado por dia”, disse o director da IHR, Mahmood Amiry-Moghaddam.

“O silêncio é um consentimento indirecto a estes crimes”, acrescentou, salientando que o Irão tinha assumido a presidência do Fórum Social do Conselho dos Direitos do Homem das Nações Unidas, no início da semana.

As 604 execuções recenseadas pela IHR excedem as 582 registadas em 2022 e a quantidade mais elevada desde 2015, quando se verificaram 972 execuções.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *