Maio 19, 2024

O presidente da Associação das Indústrias Têxteis e Confecções de Angola (AITECA), Luís Contreiras, defendeu este domingo, em Luanda, a união do sector em associações e cooperativas, para facilitar o diálogo com o Executivo e garantir o acesso às linhas de financiamento.

O responsável falava à margem da XI edição do Modangola – promoção da cadeia valor da indústria de confecção e moda em Angola, com o tema “Made In Angola”.
No seu entender, a filiação vai permitir melhor conhecimento das valências do sector no país, em benefício da economia.
Segundo Luís Contreiras, o sector tem que ser sólido e organizado, visando maior contacto com o Executivo.

“O Governo quer reunir com o sector, então é preciso haver organização sectorial para que tenhamos informações, em tempo real, sobre a capacidade desse sector, qual o número concreto de empregos que gera, quais são os constrangimentos e as possíveis soluções”, disse.
 
Fez saber que a associação está representada em 14 províncias, com cerca de 500 micro empresas, 95 médias empresas e poucas grandes a nível nacional, gerando 27 mil postos de trabalhos.
 
Já o coordenador-geral do projecto, Daniel Pires, destacou o crescimento do sector nos últimos, acrescentando que deve existir mais aposta para contribuir no crescimento do Produto Interno Bruto (PIB).
 
Referiu ser Angola um dos países que tem a cadeia de valor deste sector representada, pelo que há necessidade de se investir mais para tirar maior proveito das potencialidades do país.
 
O país tem três fábricas verticalizadas do algodão ao tecido, nas províncias de Luanda, Cuanza Norte e Benguela.
Além do fórum, a XI edição do Modangola contou com a realização de um desfile, exposição e atribuição de prémios, com destaque para o “Prémio Carreira”, atribuído à Leonel Pascoal.
O Moda Angola é uma iniciativa da Tussole Business, criadora e gestora de eventos, e tem como principal finalidade contribuir para o desenvolvimento e afirmação de um calendário oficial de eventos nacionais anuais de moda no país. 

ANGOP

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *