Fevereiro 29, 2024

Há mais de 10 anos que autoridades anunciam a implementação do propalado passaporte electrónico angolano. País já dispõe de portas electrónicas para a leitura do documento, e, em 2022, PR assinou o financiamento de mais de 127 milhões de euros, para pôr em marcha o tão sonhado projecto.

 

 Previsto como uma das prioridades para o ano passado, mais uma vez, o Serviço de Migração e Estrangeiros (SME) voltou a falhar na promessa de implementação do tão propalado passaporte electrónico. O documento, uma obrigação que deve ser cumprida por todos os países-membros da Organização Internacional da Aviação Civil (ICAO), da qual Angola faz parte, tem sido anunciado pelas autoridades desde 2010, mas nunca chegou a ser concretizado.

Ao Novo Jornal, um alto quadro do SME esquiva-se das razões que levam ao encalhamento do processo que já dura mais uma década para sair do papel. “As razões que estão na base da não-implementação, este ano, do passaporte electrónico angolano são objectivas”, aponta, acrescentando existir uma comissão a trabalhar no assunto, sem, entretanto, avançar se há a possibilidade de ser uma realidade para 2024.

NJ

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *