Junho 14, 2024

O Serviço de Protecção Civil e Bombeiros (SPCB) registou, no ano passado, em Luanda, 1.070 ocorrências, das quais 260 resultaram em mortes, menos 12 em relação a 2022.

Os dados foram tornados públicos pela chefe do Departamento de Comunicação Institucional e Imprensa (DCII), inspectora-chefe Maina Panzo, acrescentando que, no período em referência, nas ocorrências registadas foram afectados 1.042 cidadãos.

Segundo a responsável do DCII, comparativamente ao ano anterior, houve uma redução de 286 ocorrências.

De acordo com os dados avançados, em 2023, ocorreram 620 casos de incêndio, 229 a menos, 142 derrames de combustível, 34 a menos, e 56 acidentes de viação com vítimas encarceradas, 23 a menos em relação ao ano anterior.

Maina Panzo deu a conhecer que se registaram, também,167 casos de afogamento, 57 a mais, e 85 encravamentos de elevador, um a mais.

Dos 1.042 cidadãos afectados pelas ocorrências, 79 a menos em relação ao período anterior, houve o registo de 782 feridos, menos 97, e 260 mortes, menos 12.

Relativamente aos incêndios, o maior número ocorreu no município de Luanda, com 207 casos, e o menor no município da Quiçama, com sete. Kilamba Kiaxi registou 99, Viana 96, Cazenga 95, Cacuaco 38, Belas 36, Talatona 31 e Icolo e Bengo 11.

As ocorrências causaram danos materiais avaliados em Kz 1.891.492.713,00 (um bilião, oitocentos e noventa e um milhões, quatrocentos e noventa e dois mil, setecentos e treze kwanzas).

 
Casos de morte

O comandante do Quartel de Salvamento e Resgate de Luanda, inspector-chefe Octávio de Carvalho, esclareceu que das 260 vítimas mortais 154 foram por afogamento, 37 por acidentes de viação, 12 por causas desconhecidas, oito por queimaduras em incêndios, sete por doença, seis por presumíveis enforcamentos, quatro por eletrocussão, igual número por desabamento de terra, duas por deslizamento de terra, três por acidente de trabalho, também três por queda na via pública e duas por agressão física.

Consta ainda da estatística a transladação de dois cadáveres, a remoção de 14 abandonados na via pública e dois recém-nascidos removidos em valas de drenagem.

O comandante Octávio de Carvalho considerou “positivas” as acções desenvolvidas pelo SPCB no ano findo, apesar de algumas insuficiências e dificuldades de ordem técnica, humana e infra-estrutural a nível da província de Luanda.

JA

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *