Fevereiro 25, 2024

A Administração Biden quer dinamizar a economia da Zâmbia através de investimentos no Corredor do Lobito, garantiu, quinta-feira, em Lusaka, Amos Hochstein, conselheiro sénior para a Energia e Investimentos do Presidente dos Estados Unidos da América (EUA).

Ao intervir no Fórum de Investimentos da Parceria Global de Financiamento de Infra-estruturas do Corredor do Lobito (PGI), promovido pela Embaixada dos Estados Unidos da América na Zâmbia, em parceria com a Africa Finance Corporation (AFC), Amos Hochstein disse que o Governo dos EUA está comprometido em apoiar investimentos no Corredor do Lobito e, desta forma, impulsionar a economia da Zâmbia.

Hochstein referiu-se ao potencial do Corredor do Lobito na promoção da integração e interdependência regional. O enviado especial do Presidente norte-americano destacou o interesse de muitas empresas americanas em investir na Zâmbia, sublinhando, para o efeito, a importância da construção do Corredor do Lobito na facilitação do comércio e do crescimento económico na região.

O ministro dos Transportes, Ricardo d’Abreu, representou Angola no Fórum de Investimentos da Parceria Global de Financiamento de Infra-estruturas do Corredor do Lobito (PGI). Ao intervir no evento, o governante apresentou a visão do Executivo gizada no Plano Director Nacional do Sector dos Transportes e Infra-estruturas Rodoviárias (PDNSTIR), bem como os desafios do Executivo em atrair investimento privado para desenvolver as infra-estruturas.

Ricardo d’Abreu explicou que, além do Corredor do Lobito, outros corredores estão em curso, apontando como exemplo o Corredor Norte, que parte de Luanda até à fronteira com a RDC e o Corredor Sul, Namibe-Huíla-Cuando Cubango até à fronteira com a Zâmbia.

O ministro reafirmou que o desafio passa por se conseguir atrair o investimento privado para desenvolver as infra-estruturas, de modo a criarem-se oportunidades de emprego para os jovens, bem como valor e sustentabilidade económica.

“Não existem dúvidas que o Corredor do Lobito irá contribuir significativamente para o desenvolvimento dos três países, sendo que o CdL (Corredor do Lobito) funciona como um pivot na diversificação da economia, garantindo que África se integre de forma mais efectiva e marcante”, afirmou o ministro angolano. Em 2023, o Executivo assinou o acordo tripartido que cria a Agência de Facilitação de Transporte, Trânsito e Logística do Corredor do Lobito, enquadrado na estratégia para a potenciação de todas as oportunidades nesta região.

JA

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *