Junho 14, 2024

A importância do Corredor do Lobito para a região da SADC foi destacada, sexta-feira, pela embaixadora de Angola na Itália e representante permanente junto das Agências das Nações Unidas em Roma, Fátima Jardim.

A diplomata falava durante um encontro de concertação das actividades da Comunidade com o grupo de embaixadores dos países-membros da SADC na Itália, no quadro da presidência em exercício de Angola desta organização regional, de acordo com um comunicado da Embaixada naquele país europeu.

Fátima Jardim destacou que o Corredor do Lobito se apresenta como uma via importante, quer para o desenvolvimento interno de Angola, ao longo das províncias que atravessa, onde vivem cerca de 26% da população angolana, como para os países vizinhos e para as organizações regionais sob sua zona de influência.

A embaixadora reforçou a iniciativa “Grande Muralha Verde”, consubstanciada no desenvolvimento sustentável dos países africanos, considerando ser a multilateralidade uma das principais vias para o desenvolvimento, devendo os Estados trabalharem juntos para alcançar resultados cada vez melhores para os povos.

O Corredor do Lobito, cuja concessão foi atribuída por trinta anos, em Julho de 2023, a um consórcio formado pelas empresas Trafigura, Mota-Engil e Vecturis, é uma rota fundamental para ligar as regiões de exploração mineira na República Democrática do Congo (RDC), do chamado “cinturão de cobre” na Zâmbia, ao Porto do Lobito, em Angola, e consequentemente aos mercados internacionais através da Rota Atlântica.

Por seu turno, os embaixadores demonstraram grande interesse nas possibilidades que o Corredor do Lobito abre para o desenvolvimento de vários países africanos, que se poderão materializar na criação de projectos transfronteiriços para o aumento da produção agrícola, agro-indústria, turismo, biodiversidade e segurança alimentar.

O mesmo documento refere que os diplomatas manifestaram, ainda, a intenção de abraçar a ideia de cada um a seu nível dar mais visibilidade ao projecto.

O encontro abordou temas como as prioridades estratégicas para promover os interesses da Comunidade e fortalecer o seu papel nos órgãos de Governo da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO), através dos representantes no Conselho, criação de empregos, políticas e estratégias de inserção de quadros africanos especializados nas agências da ONU sediadas em Roma.

Durante o evento, os participantes receberam, igualmente, informações ligadas ao Dia Africano da Segurança Alimentar e Nutricional, apresentadas por Moçambique, sobre alguns desenvolvimentos da recém-terminada Cimeira Itália/África, apresentada pelo Zimbabwe, bem como a implementação da “Iniciativa Grande Muralha Verde” nos países da SADC e do Sul do continente africano.

Participaram na reunião, realizada nas instalações da missão diplomática de Angola na Itália, os embaixadores da África do Sul, Lesotho, Moçambique, RDC, Zâmbia e Zimbabwe, além de Angola.

JA

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *