Abril 25, 2024

Pelo menos mais 1250 novos efectivos da guarda fronteira são necessários para a cobertura total da linha fronteiriça com a República Democrática do Congo, na província da Lunda Norte.

A informação foi revelada pelo comandante da sétima unidade de Polícia de Guarda Fronteira, o subcomissário Lourenço Filipe Deya, que referiu que o mau estado das vias de comunicação ao longo da linha da fronteira consta da lista de preocupações da corporação.

“Estamos abaixo dos 600 homens para a cobertura desta faixa fronteiriça. Para uma cobertura total necessitaríamos de mais 1250 homens. Torna-se preocupante se olharmos para as vias de acesso que vão até aos locais dos postos [de controlo]. Nós por está altura e sobretudo nos na região do município do Lóvua ainda é um problema para chegarmos até ao posto de guarda fronteira, isto devido às vias de acesso e a falta de Pontes e de alguns pontecos em determinadas localidades”, revelou.

O subcomandante Lourenço Filipe Deya, mostrou-se ainda preocupante com o contrabando de combustíveis na região, tendo dito que os referido que os contrabandistas têm usado caminhos fiotes para levar combustíveis à vizinha RDC.

O reduzido número de efectivos da corporação naquela região, de acordo com a alta patente, tem dificultado os trabalhos para travar o contrabando ao longo destes caminhos filtra criados pelos contrabandistas.

Ao balancear o ano de 2023, Lourenço Filipe Deya mostrou igualmente preocupado com o elevado número estrangeiros que se fazem ao país pelas vias fronteiriças, vindos da RDC, muitos deles acompanhados de crianças.

“Se olharmos para aquilo que foi o ano de 2023, tivemos no domínio operativo, 4527 serviços operativos que resultaram no registo de 5537 casos tipificados, 4934 por entrada ilegal frustradas, 487 por saídas frustradas e tivemos também 30 casos por garimpo de diamantes, 48 por contrabando de combustíveis e um por promoção e auxílio à emigração ilegal, 27 por pesca ilegal, três por cada furtiva, seis por exportação de mercadoria, um por tráfico de menores , um por tráfico de estupefacientes”, detalhou.

O comandante de guarda fronteira na Lunda Norte revelou que dos 25975 imigrantes da RDC, 20497 são homens e 5477 são mulheres, que entretanto vinham acompanhadas de 4440 crianças ou menores, “o que nos preocupa muito”.

A província da Lunda Norte, no Nordeste de Angola, partilha 770KM com a RDC, sendo 650 KM terrestres e 20 KM fluviais.

CK

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *