Maio 23, 2024

A construção da Refinaria do Ouro em Luanda, pela GeoAngol, uma empresa detida pela Endiama, foi destacada, quinta-feira, pelo ministro dos Recursos Minerais, Petróleo e Gás, como uma acção prioritária do Executivo angolano para o Sector Mineiro.

Diamantino Azevedo declarou ao discursar na abertura de um seminário sobre “Recursos Minerais e a Cadeia de Valor Mineral do Ouro em Angola”, realizado no Huambo, a considerar que “refinar  ouro localmente, irá agregar valor, podendo esta commodity ser usada na indústria de jóias, bem como na reserva de liquidez internacional”.

O governante fez um resumo sobre outros projectos em curso no Sector dos Recursos Minerais, Petróleo e Gás e apelou ao investimento privado e financiamento das instituições bancárias, garantindo apoio institucional do sector.

À margem do seminário, o director-geral da Geoangol,  Domingos Baptista, disse à imprensa  que a Refinaria de Ouro de Luanda, a primeira do país, começa a operar em 2025, depois de um investimento de nove milhões de dólares.

Acrescentou que o projecto inclui a formação de quadros, construção da fábrica e apetrechamento com equipamento de ponta e modernizado para o fomento económico e certificação do ouro no país.

A refinaria foi projectada para processar 25 quilos de ouro por dia e a construção  está num grau de execução física na ordem dos 50 por cento.

A governadora do Huambo, Lotti Nolika, que participou no acto de abertura do seminário, avançou que existem 16 projectos de prospecção mineira na província (ouro, diamante, cobre, metais ferrosos e terras raras) e dois de produção de ouro e terras raras e que, apesar da existência destes projectos, há uma actividade ilegal de garimpo prevalecente que acarreta efeitos adversos de índole financeira, humana, ambiental e entraves para o desenvolvimento do sector Mineiro.

“Continuamos, em estreita colaboração com as forças de defesa e segurança e as autoridades tradicionais, empenhadas na implementação de estratégias e medidas adequadas para combater a exploração ilegal de minerais”, garantiu a governadora, exortando à maior participação das empresas do sector no desenvolvimento das comunidades circundantes aos projectos mineiros.

O seminário foi realizado no âmbito das jornadas em torno da celebração do 27 de Abril, Dia do Trabalhador Mineiro, com discussões consagradas ao conhecimento geológico e mineração e temos como a “Prospecção e Exploração de Ouro e Metais Nobres em Angola”  e duas sessões temáticas, sendo uma sobre exploração, beneficiamento do ouro e sua aplicação e outra  referente a seguros, financiamento, investimento, ambiente de negócios e fiscalidade.

Participaram no seminário o director da Agência Nacional de Mineiração do Brasil, Mauro de Sousa, que falou sobre a visão global da indústria do ouro e as perspectivas para o mercado mundial, bem como a inspectora-chefe da Autoridade Sul-Africana de Diamantes e Metais Preciosos, Tiny Mathibeng, que abordou o tema “A Experiência da África do Sul: Regulação, Apoio ao Negócio e Beneficiamento Local”.

JA

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *