Maio 24, 2024

A um mês do prazo limite para apresentação de candidaturas a Presidente da República, os moçambicanos não se mostram preocupados com a tardia escolha de candidatos, mas esperam atenção do próximo chefe de Governo à segurança e emprego.

“Espero mudanças em termos colectivos. Espero por políticas que sejam mais direccionadas para jovens”, diz à Lusa Omar Sukuma, de 27 anos, formado em estatística, acrescentando que sente que os jovens são excluídos dos processos de desenvolvimento do país, apesar de “serem a base para o desenvolvimento”.

A segurança é preocupação transversal na mensagem aos futuros candidatos.

Em Maputo, capital do país, a Lusa conversou igualmente com Armando Machalele, psicólogo de 44 anos que tem a expectativa que o próximo Presidente da República, a escolher nas eleições gerais de 09 de Outubro, também faça mudanças na sociedade, com enfoque para a abertura do mercado de emprego para a juventude.

O Conselho Constitucional definiu o final do dia 10 de Junho como prazo limite para apresentação de candidaturas a Presidente da República nas eleições de Outubro, às quais já não pode concorrer o actual chefe de Estado, Filipe Nyusi – e líder da Frelimo – por ter atingido o limite de mandatos.

Contudo, apenas no domingo e após uma reunião extraordinária do Comité Central que durou três dias, a Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo) aprovou Daniel Francisco Chapo como candidato às eleições presidenciais pelo partido no poder em Moçambique desde a independência, em 1975, após vários meses de incerteza e num prazo invulgarmente levado ao limite.

Também no domingo, o conselho nacional do Movimento Democrático de Moçambique (MDM), terceira força do parlamento, aprovou o apoio à candidatura do líder do partido, Lutero Simango, ao cargo de Presidente da República.

A segunda força política no parlamento e principal partido da oposição, a Resistência Nacional Moçambicana (Renamo), continua em processo interno de escolha do candidato.

Moçambique realiza em 09 de Outubro eleições gerais, que além da eleição presidencial inclui ainda legislativas e para governadores de províncias e respectivas assembleias provinciais.

A campanha eleitoral vai decorrer de 24 de Agosto a 06 de Outubro e a Comissão Nacional de Eleições terá de anunciar os resultados nacionais até 24 de Outubro, que só depois, após análise do processo, podem ser proclamados pelo Conselho Constitucional.

Angop  

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *