Maio 24, 2024

O Serviço de Investigação Criminal, no município do Cazenga está a ser acusada, pelas vendedoras de botijas de gás botano de extorsão e furto.

 De acordo com as vendedoras, o modus operandis dos operativos do SIC, consiste em retirar da cela da esquadra, alguns detidos e coagi-los a declararem ter vendido no mercado do Asa Branca, botijas de gás roubadas.

 “Eles trazem aqui detidos, miúdos que já foram espancados e orientados, postos aqui eles apontam qualquer lugar que tenha botija, as garrafas de gás de preferência são as de cor laranja por serem as mais caras, cada uma aqui custa 45 mil, kwanzas”, denunciou uma vendedora.

A mesma fonte que prefere anonimato disse que o caso mais recente aconteceu ontem, dia 11, por volta das 13 horas, operativos do SIC do Distrito Urbano do Hoji-Ya-Henda, surgiram numa viatura de marca Toyola corola, do modela “Rabo de Pato” e numa motorizada de 3 rodas, num número de aproximadamente 7 efectivos e 3 detidos algemados. Postos no local, sob escolha aleatória, os efectivos levaram 1 botija e deterem uma vendedora, suposta compradora, identicada como Ngonguita e levaram-na à esquadra do Distrito.

Tal como sempre acontece, narra a fonte, no local não havia queixoso e informaram-se que o detido que supostamente terá vendido a botija, é um indivíduo que se encontra as contas com a justiça desde o dia 30 de Dezembro, por ter participado numa rixa no bairro, e que nada tem a ver com furto.

A vendedora, detida, para ser posta em liberdade lhe foi cobrada, pelos agentes do SIC, um valor de 50 mil Kwanzas, a que esta se recusou a pagar, tendo sido posta em liberdade por volta das 17 horas. “Essa é uma situação que todos no SIC, sabem, desde os responsáveis aos agentes, pois eles fazem divisão dos bens ou seja, depois do suposta comprador ser posto em liberdade depois de pagar ou não uma “fiança”, gasosa aos agentes, sob ameaça de ser presa, os agentes em serviço, fazem a venda do bem o partilham o valor advindo da acção criminosa”.

 A detida, quando questionou os operativos sobre quem fez a queixa, estes ameaçaram-na dizendo que, ela não tinha que fazer perguntas e que a botija ficaria na esquadra até que alguém vá reclamar ter sido roubado.

 As vendedoras contaram ao Repórter do Estado News, que tais actos já se tornaram um hábito. “quando não têm dinheiro fazem sempre isso, recentemente, foram os oficiais do SIC, da décima segunda esquadra do mesmo município, os modus são os mesmo. O Estado News tentou o contacto com o SIC do município do Cazenga, tendo todos os esforços sido gorado, porém traremos mais dados sobre o assunto.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *