Julho 21, 2024

A Polícia Nacional deteve um cidadão chinês proprietário de uma fábrica de plásticos que mantinha mais de cem trabalhadores em cativeiro, trabalhando sete dias por semana e mais de 12 horas por dia em condições desumanas.

O porta-voz do Departamento de Investigação de Ilícitos Penais da Polícia Nacional, Chefe Quintino Ferreira, disse que, apesar de a fábrica produzir colchões, os trabalhadores na sua maioria dormiam em madeiras.

A denúncia foi feita pelos trabalhadores da referida fábrica de plásticos, num vídeo partilhado nas redes sociais onde denunciam casos de funcionários que morreram e que acabaram enterrados às escondidas.

Um outro funcionário da empresa revelou que no final do expediente lhes era oferecido bolachas expiradas para o consumo.

E os bispos da Conferência Episcopal de Angola e São Tomé (CEAST) estão preocupados com as condições laborais em que são submetidos, milhares de angolanos que trabalham em empresas dirigidas por cidadãos estrangeiros, particularmente asiáticos.

Dom Belmiro Chissengueti falava durante a primeira assembleia para abordagem de aspectos ligados à integração da criança na sociedade e sobre a vida da comunidade católica, que decorreu na cidade de Malanje.

Encerrada nesta segunda-feira, a primeira Assembleia Plenária da Conferência Episcopal de Angola e São Tomé (CEAST), recomendou ao Executivo a adopção de medidas urgentes inclinadas ao controlo da inflação, com vista ao aumento do poder de compra das famílias.

Entretanto, durante a conferência de imprensa que marcou o fim da referida actividade, o porta-voz da Conferência Episcopal, Dom Belmiro Tchissengueti, fez saber que o apoio aos empresários angolanos constitui a principal chave para desenvolvimento do país.

CK

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *