Fevereiro 25, 2024

Com a central Pauletta Foppa “endiabrada”, a França sagrou-se campeã do mundo sénior feminina de andebol, pela terceira vez, ao derrotar, por 31-28, a Noruega, em partida disputada ontem, no Pavilhão Jyske Bank Boxen, cidade de Herning, Dinamarca.

Se existiam dúvidas em relação ao rótulo de candidatas, as gaulesas dissiparam-nas em 60 minutos, diante da selecção mais titulada, a norueguesa. Numa reedição da final de 2021, com vitória da Noruega (29-22) foram precisos nervos de aço para as “Les Blues fazerem a “desforra”.

Com a conquista, as gaulesas despedem-se de forma honrosa do técnico Olivier Krumbholz, pois orienta o conjunto pela última vez. Dotadas de bagagem competitiva ímpar, as oponentes proporcionaram espectáculo de “luxo” aos cerca de 12 mil espectadores, presentes no pavilhão de Herning.

Em duelo de gigantes, nos primeiros minutos as defesas suplantaram os ataques, com os sistemas 6-0 e 5-1, a serem os mais utilizados. O ritmo intenso testou a condição física das protagonistas.

Por outro lado, era preciso manter os níveis de concentração. Equiparadas nos distintos sectores, o desafio registou várias igualdades. Aos 13 minutos, 9-9, aos 15, 10-10, e aos 16, 11, golos. Quatro minutos depois, a França passou a frente, 15-13, dois golos de vantagem.

Pauletta Foppa contou com duas aliadas, as laterais Orlane Kanor e Lena Grandveau. O trio da primeira linha foi responsável pelo jogo ofensivo do combinado orientado por Olivier Krumbholz.

Do lado da Noruega, as influentes Stine Oftedal, Nora Mork e Henny Reistad foram as artilheiras em serviço. Apesar dos intentos, a equipa passou a pecar na finalização. Ao intervalo, 20-17, favorável às campeãs do mundo.

Na segunda parte, o técnico Thorir Hergeirsson fez algumas alterações, porém sem o efeito desejado. Fruto da maior frescura física, as gaulesas aproveitaram bem as fragilidades das oponentes.

Com o cansaço a tirar algum discernimento, as nórdicas foram incapazes de visar a baliza contrária até mesmo em situação de superioridade numérica. A faltar 15 minutos, 23-26, para as francesas.

Nos minutos restantes, a França tudo fez para dilatar e conservar a superioridade no marcador, enquanto a Noruega perdeu o fulgor.

Dinamarquesas conquistam bronze

Com vitória “suada”, 28-27, a Dinamarca conquistou ontem, a medalha de bronze, ao derrotar a Suécia, em partida referente ao terceiro lugar da tabela classificativa do 26º Campeonato do Mundo sénior feminino de andebol.

Em Harning, o Pavilhão Jyske Bank Boxen foi pequeno para acolher os milhares de espectadores dinamarqueses e suecos. Com o bronze, a Dinamarca repete o feito de 2021, na Espanha, ao passo que as suecas (5) subiram um degrau.

Tal como apontavam as previsões, no duelo escandinavo era difícil apontar o vencedor, tal é a qualidade competitiva patenteada pelas jogadoras dos dois conjuntos. A cada investida das oponentes o público vibrou, em sinal de apoio.

Ao cabo dos 30 minutos, a Dinamarca vencia, 18-15, três golos de vantagem. No reatamento, as duas equipas mantiveram a mesma postura aguerrida, porém com maior ascensão das suecas.

A dez minutos do apito final, as suecas igualaram a partida, para o desespero da selecção anfitriã. Depois do desconto de tempo solicitado pelo treinador Yon Bustamante, as dinamarquesas voltaram a estar concentradas e no último minuto marcaram o golo da vitória.

Nos derradeiros segundos, as pupilas de Javier Alvarez foram incapazes de visar a baliza contrária e assim forçar o prolongamento.

JA

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *