Fevereiro 29, 2024

A Rússia e a Ucrânia procederam ontem a uma troca de quase 500 prisioneiros de guerra, na sequência de um acordo mediado pelos Emirados Árabes Unidos (EAU).

 As autoridades ucranianas indicaram que 230 prisioneiros ucranianos regressaram a casa, enquanto o Ministério da Defesa da Rússia disse que 248 dos seus militares foram “repatriados dos territórios controlados pelo regime de Kiev”.

O Ministério russo da Defesa precisou, em mensagem na rede social Telegram, que o acordo foi possível devido aos esforços de mediação dos Emirados Árabes Unidos, um importante parceiro da Rússia nas áreas humanitária, económica e energética, e após um “complexo processo de negociação”.

“Mais de 200 dos nossos soldados e civis regressaram do seu cativeiro pelos russos”, anunciou, por sua vez, o Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky.

Segundo o comissário ucraniano para os Direitos Humanos, Dmytro Lubinets, exactamente 230 militares ucranianos foram trocados no decurso desta “49ª permuta” entre Kiev e Moscovo desde o início da operação especial militar russa a 24 de Fevereiro de 2022.

“Foi a mais importante em termos de defensores [ucranianos] repatriados”, afirmou o centro ucraniano de coordenação responsável pelos prisioneiros de guerra.

No total, desde 24 de Fevereiro de 2022, “regressaram a casa 2.828 defensores [ucranianos]”, afirmou ontem Lubinets.

Segundo os ‘media’ ucranianos, a anterior troca de prisioneiros de guerra ocorreu em Agosto do ano passado.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *