Maio 24, 2024

São dez treinadores da “bola ao cesto” afectos à equipa militar do 1° De Agosto, que ponderam parar os trabalhos, por conta da falta de pagamento dos seus ordenados. A informação foi avançada em exclusivo a este portal, por um grupo de advogados que representa o interesse dos técnicos.

 

A redacção

 

De acordo com um dos advogados, os representantes legais dos treinadores, notificaram ontem (segunda-feira) à direcção rubro e negra, por via do Sindicato da Educação, Cultura, Desporto e Comunicação Social de Luanda. No entanto, a falta de resposta do D’agosto, vai obrigar a paralisação dos trabalhos.

Procuramos contacto com a direcção do emblema militar, porém, não obtivemos qualquer resposta sobre o assunto.

As eleições no clube militar está marcada para o dia 30 deste mês na Cidade Desportiva, no bairro Mártires do Kifangondo. Três candidatos lutam para o caldeirão máximo: Carlos Hendrick que concorre para a sua própria sucessão, Sá Miranda, o general que deseja desalojar outro general e o atrevido jurista Egas Viegas, sócio dos militares desde aos 13 anos.

Nas redes socias, por exemplo o internauta Lopez Filho Imprescindível, diz que a situação está pior a cada que passa. “ Seria o memento ideial de tomarem algumas decisões drásticas. Por exemplo, extinguem algumas modalidades que não sejam prioridades e baixem os salários das outras. Poderiam economizar algumas despesas”, conta.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *