Abril 21, 2024

As três centrais sindicais angolanas aprovaram hoje por unanimidade uma greve geral interpolada com início a 20 de março, anunciou o porta-voz dos sindicatos.

Em declarações à Lusa, Adriano Manuel sublinhou que os trabalhadores concluíram que o governo não respondeu de forma satisfatória às suas inquietações e decidiram em assembleia geral avançar para uma paralisação total.

A assembleia, que decorreu hoje em Luanda, foi o culminar de uma série de plenários convocados pela Força Sindical, UNTA-Confederação Sindical e a Central Geral dos Sindicatos Independentes e Livres de Angola-CGSSILA, em todas as provincias angolanas, para auscultar os trabalhadores a propósito da resposta do governo ao seu caderno reivindicativo

Em causa estão reivindicações a nível do aumento do salário mínimo dos atuais 32.181,15 (35 euros) para 245 mil (268 euros), subida dos salários da função publica em 250%, atualização de subsídios e desagravamento dos impostos.

“O governo diz que não tem dinheiro para pagar, mas não apresenta nenhum projeto devidamente estruturado para saber quando vamos recuperar o poder de compra, não apresentou razões plausíveis para continuarmos a ser sacrificados e a usufruir este salário de miséria”, destacou o sindicalista

Acrescentou ainda que o aumento de 5% atribuído à função pública, equivale a um acréscimo de 1600 kwanzas (1,7 euros) para um trabalhador que ganhe o salário mínimo e sublinhou que atualmente um saco de arroz custa 25.000 kwanzas (27 euros).

Adriano Manuel salientou que têm crescido os problema de má nutrição e tuberculose, e apontou um aumento generalizado da pobreza no país devido aos baixos rendimentos.

A greve vai decorrer em três fases, com um primeiro período de três dias entre 20 e 22 de março, um segundo entre 22 e 30 de abril e um terceiro de 03 a 14 de junho de 2024.

Para “evitar aproveitamentos e situações de conflitos”, os sindicatos apelam aos trabalhadores para que fiquem em casa para que o país “pare por três dias”.

“Queremos uma greve pacífica, as pessoas devem ficar em casa. Conhecemos o nosso país e como determinadas instituições funcionam com o objetivo de desacreditar movimento sindical”, justificou, adiantando que os sindicatos mantêm as vias negociais abertas.

AO24

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *