Julho 21, 2024

Os Palancas Negras conquistaram, domingo, a quarta Taça COSAFA, após uma goleada de 5-0 infligida à Namíbia, na final disputada no Estádio Nelson Mandela Bay, em Port Elizabeth, África do Sul.

O combinado angolano entrou com tudo para não deixar escapar o troféu regional, revelando vontade infinita de vencer. Com o controlo total da partida, começou a traçar o ramal triunfante com saídas apoiadas pelo Maestro, Depú e Pedro Bondo. Numa arrancada na direita, o avançado do Gil Vicente evidenciou qualidade acima da média, construindo um túnel até à baliza da Namíbia.

Num cruzamento carregado de maldade, Keliano rematou e na recarga, o “nubente” Pedro Bondo, assinou o primeiro da partida, aos 12 minutos da etapa inicial. Após o primeiro tento dos angolanos, os “deuses” do futebol profetizaram aos ouvidos dos atletas nacionais que a taça  viria a Luanda.

A partida seguiu em ritmo acelerado. Os Palancas Negras mais ágeis e com sede de mais golos, viram o recém-casado Pedro, a sofrer o terceiro penalti na competição. O juiz teve de recorrer ao VAR (Vídeo-Árbitro) e confirmou que o veterano defesa namibiano Charles Hambira que haviacometido falta na área.

O melhor marcador da COSAFA 2024 foi solicitado. Depú não deixou os créditos em mãos alheias e apontou o segundo para a equipa nacional e quinto na conta pessoal, quando decorriam 44 minutos da etapa complementar.

O adversário tentou chegar à baliza de Langanga, mas o comboio defensivo dos pupilos de Pedro Gonçalves não permitiu. As duas formações foram ao intervalo com vantagem confortável de Angola.

No reatamento, os namibianos tentaram escrever a história com outro enredo. Subiram as linhas e pressionaram o último reduto angolano. A acção dos vizinhos foi sol de pouca dura porque estava a caminho o terceiro. Vidinho, central do Petro de Luanda subiu mais que todos os defensores da Namíbia e de cabeça maximizou para três a vantagem dos Palancas Negras.

O encontro seguiu com o combinado nacional a dar o ar da sua graça e convicto do triunfo. Aos 67 minutos, Kamberipa central adversário pisou com gravidade ao atacante angolano e viu o cartão vermelho. Na cobrança do livre, Vidinho vestiu o fato macaco e com um pincel nas mãos, pintou a melhor obra de arte do torneio. Um golaço que levantou o estádio e desafiou os flashes dos fotojornalistas presentes no Nelson Mandela By.

Com a vitória já assegurada, os Palancas Negras não baixaram a guarda e persistiram com acções ofensivas muito fortes. Os guerreiros (designação da selecção da Namíbia) pouco ou nada podiam fazer ante a superioridade angolana. Insaciável, o capitão Manuel Keliano ainda queria mais e fechou a cortina do espectáculo com o quinto golo dos Palancas Negras.

Homem do jogo

Vidinho Nanque, central angolano do Petro de Luanda foi eleito o Homem do Jogo. Com uma exibição irrepreensível, foi autor de dois tentos dos cinco que deram a taça a Angola. Fez dupla no centro da defesa ao lado de Mindinho e protegeram a baliza nacional, no suporte ao guardião Langanga.

JA

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *