Abril 21, 2024

Pepetela será homenageado quinta-feira, às 18h00, no Camões – Centro Cultural Português, em Luanda, durante a segunda edição deste ano do projecto “Escritor do Mês”, uma iniciativa destinada a promover os autores que escrevem em língua portuguesa.

A edição de Março será realizada com um dos maiores escritores angolanos, com obras publicadas na sua maioria após a Independência Nacional e trazidas em mais de quinze línguas.

Pepetela recebeu diferentes prémios internacionais, entre eles o especial dos críticos de São Paulo, em 1993, o Prémio Camões, considerando como o mais elevado em língua portuguesa.

Pepetela nasceu em Benguela, a 29 de Outubro de 1941. Participou directamente na Luta Armada como guerrilheiro e desempenhou os cargos de director de Departamento de Educação e Cultura, e do Departamento de Orientação Política. Em 1982 foi vice-ministro da Educação, passando posteriormente a leccionar Sociologia na Universidade de Luanda.

Artur Carlos Maurício Pestana dos Santos, membro fundador da União dos Escritores Angolanos, adoptou como nome de guerra Pepetela, que significa “pestana” na língua umbundo, e que mais tarde passou a utilizar como pseudónimo literário.

Os críticos literários consideram que Pepetela tem se relevado como um escritor singular, capaz de desconstruir o discurso nacionalista, articular a sua ficção com as transformações da história e da sociedade angolana.

A segunda edição deste ano do “Escritor do Mês”, com entrada gratuita, é uma produção da agência criativa Art Sem Letra.  O projecto , que mensalmente distingue um autor, consiste na apresentação da vida e obra do escritor, bem como abrir espaço de interacção directa com os seus leitores, entre os quais estudantes, escritores, e apreciadores da literatura.

O primeiro autor a ser eleito, deste ano, “Escritor do Mês” no Camões foi o português Eugénio Andrade, no âmbito do centenário do seu nascimento.

O encontro em homenagem a Eugénio de Andrade, pseudónimo de José Fontinhas, que nasceu em 19 de Janeiro de 1923, no Fundão, contou com a participação especial da Escola Camilo Castelo Branco e com a professora de Língua Portuguesa Carla Figueiras.

À semelhança da homenagem a Pepetela, a sessão em homenagem a Eugénio Andrade, também foi gratuita.

JA

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *